sexta-feira, 24 de julho de 2015

Acervo de investigações da CNV será aberto ao público

Documentos, arquivos audiovisuais, sonoros e fotográficos, resultantes das investigações ficarão disponíveis para consulta pública. Material serviu de base para relatório que apontou Ceará como nono estado com mais crimes contra direitos humanos entre 1964 e 1985.
Milhares de documentos, arquivos audiovisuais, sonoros e fotográficos, resultantes das investigações da Comissão Nacional da Verdade (CNV) ficarão disponíveis para consulta pública no Arquivo Nacional, no Rio de Janeiro (RJ). Uma cerimônia oficial de recolhimento do acervo documental foi realizada nesta sexta-feira, 24, na sede do Arquivo, no centro, com a presença do ministro-chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Pepe Vargas. 
relatório final da Comissão Nacional da Verdade, construído ao longo de dois anos e sete meses e entregue em dezembro de 2014 à presidente Dilma Rousseff, cita 10 locais que serviam para a prática de tortura no Ceará, durante a ditadura militar. O estado é o nono do País e o terceiro do Nordeste (depois de Pernambuco e Bahia) com maior número de pontos de crimes contra os direitos humanos entre 1964 e 1985. 
Os documentos e depoimentos que serviram de base ao relatório final estarão agora disponíveis para o público. "Há todo um tratamento para disponibilização, não só a quem venha fazer pesquisas nessa área. Na sequência também haverá outras publicações que permitirão à população brasileira ter acesso ao trabalho da Comissão", afirmou o ministro. 
O acervo reúne documentos, testemunhos de vítimas e familiares, depoimentos de agentes da repressão política, 47 mil fotografias, vídeos de audiências públicas, diligências e depoimentos, laudos periciais, croquis e plantas de instalações militares e livros. 
Um primeiro lote com aproximadamente 6 mil documentos digitais foi entregue ao Arquivo Nacional no último dia 14. O acervo passa por um período de quarentena de 15 dias para tratamento técnico. O segundo lote de documentos será encaminhado ao Arquivo na próxima segunda-feira, 27. 
A CNV recebeu documentos de comissões da verdade estaduais, municipais e setoriais, arquivos de familiares de vítimas da ditadura e documentos oriundos da cooperação com governos de países como Argentina, Alemanha, Chile, Estados Unidos e Uruguai.
ESTADÃO conteúdo

Fonte: www.opovo.com.br em 24.07.2015